SEM ADESÃO POPULAR, PROTESTO GANHA CARA DE PASSEATA DE 2º TURNO.

Em Macau, a política partidária é atípica e vive a sua efervescência, mesmo fora dos prazos eleitorais. Um protesto armado pelo grupo político que perdeu a última eleição municipal juntou pouco mais de 120 pessoas nas ruas, na tarde desta terça-feira, 8, para externar insatisfações pessoais de quem perdeu benefícios na prefeitura e se acha no direito de julgar um governo de apenas sete meses.

A fraca adesão popular para quem desejava enquadrar a gestão Tulio Lemos, certamente frustrou os organizadores que vinham mobilizando as redes sociais há pelo menos uns 15 dias. Nove meses após o fim da derrotada campanha política, para quem tinha como certa uma vitória avassaladora, o que se viu nas ruas foi um vergonhoso espetáculo circense com direito a presença de velhos e conhecidos atores da cena política local.

“O interesse dessa manifestação é tão grande pelo povo, que esquecem os outros bairros e fica a zoada só aqui pelo Centro para os políticos aparecerem”, questiona o arte-finalista Theu Maia, que foi eleitor da chapa derrotada em 2016, e mesmo assim, a exemplo de muitos eleitores da oposição, se posicionou publicamente nas redes sociais e em grupos de WhatsApp contra o formato desse protesto.

Para Theu Maia, esse tipo de artimanha política é feito ‘papafigo’, “só engana menino buchudo”. O certo é que o sentimento de Theu não é solitário e aos olhos do cidadão comum, que vive fora da atmosfera política partidária e do clima de guerra que toma conta das redes sociais, a passeata de hoje só fortaleceu o governo, que deve sim ouvir as ruas e continuar desprezando o grito de quem chora olhando apenas para o seu próprio umbigo.

Qualquer semelhança, não é mera coincidência. 

“Ficou claro para o povo de Macau que esses movimentos, ditos liberais e independentes tem o financiamento de grupos políticos por trás, que silenciam diante de um caos, quando estão com seus interesses atendidos. Vejamos o exemplo recente do que fizeram com a presidente Dilma e meses depois, uma denúncia gravíssima contra o presidente Temer é arquivada pela força do grupo que teve sua ascensão ao poder como desmembramento do manifesto popular, usando o povo como massa de manobra”, observou uma fonte do Blog, lembrando que muitas caras que foram as ruas hoje não enganam mais o eleitor. Celso Amâncio.

Deixe uma resposta